quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Balançaram a pirâmide: Xbox One X roda The Witcher 3 a 40K/60 FPS


Quando montei meu PC gamer em 2015, o motivo que me fez deixar os consoles era a superioridade gráfica alcançada nas versões da maioria dos títulos para computador. Eu entendia pouco ou quase nada de frame rate, não conhecia a Steam, tudo que eu queria era rodar as coisas no ultra, pouco importasse fluidez, resolução ou outros fatores.

Muita coisa mudou desde então. Meu conhecimento técnico cresceu bastante, e hoje sacrifico tudo o que for necessário nos visuais para manter os 60 FPS constantes. Aderi à Steam e descobri nela todas as vantagens e o conforto que sempre desejei e nunca tive quando comprava jogos de console em mídia física. Não ter que lidar com frete ou jogo usado, baixar meus jogos rapidamente, dispor de uma assistência funcional para reembolsar um título quando este é aquém do esperado (e a saudade dos grupos de Facebook onde eu tinha que vender meus jogos usados por 1/3 do que paguei? NENHUMA) e, principalmente, os preços extremamente convidativos, onde consigo pagar, tranquilamente, menos de 100 reais em qualquer lançamento, e dificilmente mais do que 20 contos em jogos que, certamente, eu teria que desembolsar uma boa quantia se quisesse botar na prateleira do PS3 (por causa de babaquices como “raridade” ou “bom estado”, mídia digital manda um abraço).

Mas PC também não é só rosas, quem joga na plataforma tem que lidar com muitos jogos mal otimizados, soluções improvisadas em arquivo .ini, títulos vendidos exclusivamente na Origin ou na Loja da Microsoft (duas interfaces podres, para não usar palavra pior). Mesmo com alguns infortúnios que deixam calos de experiência em nossa carreira gamer, a plataforma ainda é magnífica, contagiante o suficiente para Horizon Zero Dawn ou Red Dead Redemption 2 sequer me cutucarem para me fazer pensar se fiz a escolha certa, pois diariamente o início em 10 segundos da máquina equipada com SSD me dá a certeza de que sim, é aqui que quero jogar.

Só que essa sensação de segurança é maior, ou mais fácil de se manter, quando a sua plataforma está no topo da pirâmide. E esta semana, um vídeo que assisti balançou a pirâmide e possivelmente tirou o PC da posição gloriosa em que se encontrava, com segurança, longe de seus concorrentes de estante: The Witcher 3 rodando em 4K a 60 FPS no Xbox One X. Sim, a desenvolvedora conseguiu que um console custando atualmente 3500 reais alcançasse o desempenho que PCs do dobro do valor penam para conseguir. Não entrarei em detalhes acerca dos métodos utilizados para chegar a tal feito, mas é fato que o jogador que inserir o disco de The Witcher 3 em seu Xbox One X, pegar o controle e sentar ao sofá, curtirá uma luxuosa experiência de jogatina em altíssima resolução e fluidez, e ainda desfrutará do riquíssimo padrão de cores HDR, caso tenha o equipamento adequado. E o peso na consciência bateu no momento em que me lembrei que meu PC, preparado para Full HD e 60 FPS, custou mais que o preço do console que roda títulos em 4K. Teria eu feito a escolha errada? Será que eu deveria me arrepender? O que me restou foi fazer um exercício de auto-questionamento e reflexão, para encontrar uma resposta que fosse, ao mesmo tempo, sensata e reconfortante.


Primeiramente, é importante lembrar que o que me fez abandonar os consoles foi essa “smartphonificação” dos mesmos, a sensação de que o produto que você compra poderá ser substituído por um melhor a qualquer momento. Lembrem-se que PS4 Pro e XOne X são desculpas para os primeiros modelos de PS4 e XOne que foram lançados extremamente fracos em relação ao que deveriam ser. Placas de vídeo também ganham novas gerações com frequência, num ritmo até maior do que os consoles, mas quem impõe a troca é o dono do computador, não uma fabricante que eventualmente deixe de lançar jogos para aquele equipamento, pois os novos jogos continuam chegando ao PC, diferente de um PS3 que deixa de receber Mad Max e Dying Light porque a desenvolvedora decidiu fazer apenas para a nova geração. Tenho mais segurança da vida útil dos equipamentos que compro jogando no PC do que em consoles, especialmente na atual geração onde, ainda contando o Wii U, temos OITO videogames no mercado, produzidos por apenas três fabricantes.


Vida útil longa me faz pensar em economia, e economia remete novamente ao que foi dito sobre a Steam ali em cima. Se ter dinheiro para comprar jogos em uma situação econômica confortável já é difícil, imagine na atual crise que nosso país enfrenta. Não adianta espernear e xingar o Brasil dizendo que “preferia ter nascido nos Estados Unidos”, isso é pura infantilidade e não vai mudar a sua vida ou te tirar da situação atual. Os sobreviventes são aqueles que se adaptam, a velha teoria de Darwin inicialmente pensada em selva e macacos se encaixa muito bem com nosso cotidiano e é perfeitamente real nos dias de hoje. Pagar uma média de 150 reais por jogo continua sendo um absurdo, e eu chamaria de burrice escolher fazer isso enquanto a loja da Valve está te empurrando goela abaixo o mesmo título por menos da metade do preço. O valor mais baixo de um console em relação a um computador é convidativo inicialmente, mas abastecer o aparelho torna-se uma brincadeira caríssima, muitas vezes inviável. O inverso acontece no PC, onde o consumidor dá um salto de fé para conseguir montar sua máquina num primeiro momento, mas depois, o que mais falta é tempo para jogar tudo o que compra na Steam, tamanha a quantidade de ofertas.

Importantíssimo ressaltar que pensar em economia não é “coisa de pobre”. Nunca sinta vergonha de escolher algo por ser mais barato, ou de criticar algo por ser caro. Quando pagamos por um produto, estamos mandando uma mensagem para seu fabricante. Essa mensagem irá orientá-lo na maneira em que deve agir. Se as pessoas fomentam uma indústria cara, ela vai continuar sendo cara indiferente da condição financeira das pessoas, pois estará recebendo votos positivos para seus preços altos e entenderá que as pessoas estão dispostas a pagar aquela quantia. Quando deixamos de comprar, votamos negativamente para aquele preço, a empresa não vê lucro entrando e sente que o alto valor cobrado foi um erro, reduzindo-o para não sair no prejuízo. A coisa não se resume só em números. Empresas não são tiranossauros que dominam nosso mundo, são cães que nós nos acostumamos a adestrar mal. É como passear com seu cachorro na rua: ou você o domina, ou ele te puxa e faz você correr que nem um retardado.

Imagem capturada deste site via Google Imagens.

E falando em números, chegamos ao ponto que causou minha indignação e que tirou o PC da zona de conforto como plataforma soberana quando o assunto é desempenho: um aparelho que custa menos do que meu computador roda os jogos melhor que ele. Pois bem, todas as decisões dos gamers agora são regidas por um padrão de escolha tão superficial? “Quem roda melhor custando menos”? Tudo se resume a isso? Não pode ser. Eu nasci numa época em que a galera escolhia plataforma por achar o controle de uma mais confortável do que o da outra. Por uma ter jogos mais baratos que a outra (parece que os "3 por 10" do velho PlayStation nos ensinaram alguma coisa, afinal – e essa referência não será compreendida pelo público mais jovem). A decisão ia muito além de resolução e a experiência era algo muito maior, composto de uma série de fatores para os quais o grande público parece nem se importar hoje em dia. Eu vim para o PC em 2015 pensando unicamente em gráficos, e eu fico no PC em 2017 por ter hoje uma mente mais aberta e uma consciência mais madura que me permite perceber que fiz a escolha certa, e que não é só um número de gráfico que importa.

Não quero trocar de videogame como troco de celular. Não quero pagar para ter direito a usufruir do modo online pelo qual já paguei quando comprei o jogo. Não quero esperar quinze dias pelo meu jogo ser entregue pelos Correios. Não quero viver na promessa de jogos-trailer que nunca são lançados. Não quero ser obrigado a usar um controle em títulos visivelmente pensados em mouse e teclado. Não quero me incomodar para recuperar o dinheiro do jogo ruim que comprei acidentalmente. Não quero ser obrigado a jogar a 30 FPS o que posso jogar a 60 se desligar alguns filtros. Não quero um emaranhado de cabos numa estante para jogar games de múltiplas épocas quando tenho GOG e Steam posicionadas lado a lado ao alcance de um clique. Não quero ver meus jogos de Super Nintendo borrados numa TV moderna quando eles podem ficar extremamente elegantes em meu monitor. Não quero minha coleção dividida entre uma estante e uma biblioteca de menu. Não quero uma fabricante determinando ciclo de vida útil do meu aparelho conforme ela tem vontade.

Todos esses fatores somados formam a experiência final. O PC não é perfeito, mas continua sendo o melhor lugar para se jogar. Suas vantagens compensam seus defeitos. Em tempo, não posso deixar de elogiar o Xbox One X e a indústria de consoles em geral por finalmente terem chegado onde chegaram, oferecendo uma opção barata de 4K e com fluidez. Mas fica a cutucada: consoles ainda não rodam jogos em ultra wide.

2 comentários:

  1. Isso que você escreveu é algo que aconteceu comigo em 2002. O Nintendo 64 foi o último investimento em Console que fiz, peguei em 1997 e aproveitei de tudo dele até 2002. Meu último jogo? Conker's Bad Fur Day.

    Quando vi que a coisa estava para mudar, GameCube com MiniDVD, PS2 com DVD, o preço cada vez mais caro dos consoles que nem eram distribuídos no Brasil pra facilitar o preço e os que eram oficialmente distribuídos nos anos 90 não foram mais depois do ano 2001, quando comecei a perceber que o Videogame estava apontando para uma arquitetura de computador e as últimas revistas de games já relatavam isso também, pronto. Foi aí o start para começar a montar meu próprio "console de mesa". Aprendi na marra a botar a mão no hardware, olhando técnicos de informática trabalhar, indo nas lojas do Centro comprar peças pra montar meu PC. A montagem do PC era sempre baseado em um jogo que eu estava afim de curtir, naquele momento de 2002 era o primeiro Max Payne, depois só tive que atualizar pro Doom 3 e assim foi.

    Essa decisão de partir dos Consoles para o PC é um lance que só quem passou sabe como é, talvez mais ou menos a ideia de uma pessoa que sempre teve carro e partiu pra moto. Falando por mim, sei dar valor aos dois lados, sempre gostei jogar em Consoles (do Atari ao N64), depois gostei dos jogos de PC e me sinto em casa com essa plataforma. Em uma das minhas últimas tentativas de voltar para os Consoles em 2008 minha escolha foi o Wii. Tive acesso a praticamente 70 jogos fantásticos dele mas quando vi a Nintendo desligando servidores meio que obrigando a ir pro próximo aparelho dela (Wii U) foi aí que realmente percebi que não dava mais para acreditar.

    Pra concluir, quem chegou recente ao PC, sabendo usar Steam, Gog, Uplay, Origin ficando ligado em "giveaways" quando aparecem jogos gratuitos, nunca faltará jogo para curtir, conhecer e jogar.

    Parabéns pelo texto Willis, excelente trabalho mesmo. Grande Abraço e um ótimo Natal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marvox! Muito obrigado pelas suas palavras.

      Fiquei extremamente feliz em conhecer essa sua história, é muito idêntica à minha. Como você mencionou, só quem passou por essa mudança sabe como é, principalmente quando você entende um pouco como a indústria funciona e capta os pormenores dos dois ambientes, compreendendo que a diferença vai além de "qual tem os melhores gráficos e o melhor frame rate".

      Eu passei a maior parte da minha vida jogando em consoles, tive Polystation, SNES, PS2 e PS3 (além do Atari 2600 do meu pai que ligamos esporadicamente para brincar). Não me arrependo, foram bons tempos e aqueles aparelhos sempre me proporcionaram muitas alegrias. Tenho um carinho especial pelo Super Nintendo, que está comigo desde que me conheço por gente, formou meu gosto gamer e ainda não se entregou, funcionando com garra ainda nos dias de hoje. Mas desde que fui para o PC, não consigo mais ver consoles como um bom investimento para quem gosta de jogar vários jogos a sério, por todos esses motivos que falei no texto e que você reiterou em seu comentário.

      Mesmo porque os consoles esqueceram seu propósito inicial. Não há mais foco no multiplayer local, por exemplo. Tudo que um console joga, um PC joga melhor. E exclusivos não valem a plataforma.

      Obrigado por sua visita Marvox. Um ótimo 2018 para todos nós! Forte abraço!

      Excluir

O Point Games Brasil é um lugar para troca de ideias! Eu dou as minhas por meio dos posts, e você, por meio dos comentários. Sua opinião é muito importante, mas tenha maturidade e responsabilidade para expressá-la. Comentários maldosos, com mimimi ou xingando todo mundo não serão permitidos, portanto não seja um troll. Faça sua parte para manter a internet um lugar saudável a todos. Promova discussões e debates, critique, elogie, opine! Mas sempre com educação e respeito.