domingo, 7 de agosto de 2016

Pulseman (Mega Drive)


     Produzido pelo estúdio Game Freak e lançado para o Mega Drive em 1994 apenas no Japão, Pulseman é uma daquelas pérolas que todo console tem em sua biblioteca: um jogo pouco conhecido, porém, com um nível de qualidade e acabamento que poderiam tranquilamente enquadrá-lo entre os principais títulos de sua plataforma.
     Esse foi um game recorrente em minha infância. Vez ou outra, eu o jogava pela emulador Genecyst que veio instalado com 390 jogos de Mega Drive no meu primeiro computador, lá no começo dos anos 2000, porém, nunca consegui finalizá-lo. Ao longo dos anos, nunca deixei de ter a ROM de Pulseman junto aos Sonic's e Streets of Rage's em meus emuladores de Mega Drive. E foi na semana passada que decidi pegar o título e jogá-lo a sério, à fim de terminá-lo de uma vez por todas e trazer a review aqui pra vocês. Confiram, então, a análise de Pulseman!

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Guia Prático de "Know-How" em PC Gaming do Willi | Parte 4 | Reflexões Sobre o Jogador


     Enfim, chegamos ao final deste guia, e no post de hoje, o foco não será na máquina ou nos jogos, mas sim em você, jogador. Depois de termos passado por assuntos relacionados a hardware e software, chegou a hora de encerar esta série de posts fazendo uma reflexão sobre o comportamento do ser humano.
     Montar um computador para jogos e, mais que isso, saber usá-lo corretamente, não é uma tarefa simples. Como pudemos ver ao longo do guia, todas as etapas exigem bastante empenho e dedicação por parte do jogador: desde a escolha cuidadosa das peças até o entendimento sobre os processos que estão ocorrendo na tela à sua frente, tudo envolve uma série de informações, números e dados técnicos, e aqueles que melhor sabem interpretar e gerenciar tudo isso são os que de fato merecem o título de PC gamers. Afinal, se fosse para "ligar e jogar", jogaríamos no console. Não me entenda mal: ninguém é obrigado a ser expert, mas como estamos falando de uma plataforma aberta, customizável e com uma vasta gama de possibilidades, limitar-se ao "arroz com feijão" é algo meio contraditório.
     Um assunto que geralmente ronda o público jogador de PC é a Master Race. O termo é usado para simbolizar a corrida dos PC gamers pela melhor configuração, pelo melhor desempenho, pela máquina mais robusta, etc. E muitas pessoas acreditam que todos os PC gamers são master racers, quando na verdade não é assim que funciona. Seja pra você, gamer de PC super conformado que joga os games de 2016 no low em 720p; seja pra você que não pode ver um anúncio de placa de vídeo nova que já vai correndo fazer pré-venda; seja pra você que não entende nada do que foi dito aqui ao longo do guia e quer dar opinião sobre alguma coisa; esse post é pra todos vocês.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Guia Prático de "Know-How" em PC Gaming do Willi | Parte 3 | Resoluções e Frames na Tela, Por Que as Pessoas Brigam Tanto por Isso?


"Mas o meu roda em 1080p e o seu em 900p"

"30 FPS já são suficientes!"


"Eu em 30 FPS não jogo."


"Bom mesmo seria jogar em 4K."


"Calem a boca! Eu aqui no meu PC ferrado com tela de tubo e periféricos de 20 reais jogo mais que todos vocês!"


     Hoje é o dia! Depois de falar sobre peças e gráficos, o meu guia de know-how tratará de dois assuntos que, de uns anos pra cá, dominaram as discussões entre gamers nas caixas de comentários internet à fora: a resolução e o framerate dos jogos. Afinal, isso importa tanto? Esse bando de gente que discute isso sabe do que está falando? E tem máquina suprema pra falar? É o que vamos descobrir no post de hoje!

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Guia Prático de "Know-How" em PC Gaming do Willi | Parte 2 | Dicionário das Configurações Gráficas


     Diferentemente dos lançamentos para consoles, no PC, os games possuem uma série de ajustes e configurações gráficas que podem ser feitas pelo jogador, à fim de otimizar o título para que ele rode da melhor maneira possível em sua máquina. No tópico de hoje, irei "traduzir" todos aqueles termos que muitas vezes as pessoas mais iniciantes em PC gaming não entendem. Mas antes de eu começar a te explicar o que é Ambient Occlusion ou falar sobre o quanto o Depth of Field impacta na performance do jogo, é preciso esclarecer algumas coisas.
     A possibilidade de ajustar os gráficos nos jogos de PC não é um "problema", como muitos pensam, mas sim uma vantagem. Como cada pessoa tem um computador diferente, é impossível que um jogo seja lançado com um padrão gráfico fixo, pois o comportamento e performance deste jogo podem variar de "muito ruim" a "ótimo" dependendo muito da máquina da qual o usuário dispõe. Uma vez que esse padrão é ajustável, um número maior de usuários pode jogar o game, e todo mundo sai ganhando: quem tem um PC mais fraco pode dar uma reduzida nos visuais para manter a experiência estável; e quem tem um computador parrudo pode aumentar a qualidade dos gráficos e ainda assim manter a estabilidade, desfrutando então de uma experiência não só fluída como também mais bonita que o padrão, fazendo jus ao investimento que ele fez naquela configuração poderosa. Essa lógica faz parte do conceito de PC (personal computer, ou computador pessoal) onde cada usuário monta sua máquina personalizada e pode jogar com gráficos e performance de acordo com o poder desta máquina.
     Dito isto, espero ter conseguido eliminar sua aversão (caso você tivesse) em ajustar os gráficos de seu game antes de iniciar a jogatina. Agora, vamos ver o que cada elemento nas configurações visuais de um título de PC significa:

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Guia Prático de "Know-How" em PC Gaming do Willi | Parte 1 | Quais São As Peças Mais Importantes Para o Jogo Rodar Bem No PC?

     O objetivo deste texto não é ensinar ninguém a montar PC gamer, muito menos apresentar uma descrição de cada peça de um computador e para quê ela serve (parto do princípio de que quem está lendo isso já saiba o básico), mas sim, dar ênfase às peças que mais impactam no desempenho de um jogo no seu computador e porquê.
     Pois bem. Essencialmente, o que vai determinar se um game vai rodar bem, medianamente ou mal no seu computador é um conjunto de três peças: o Processador, a Memória RAM e a Placa de Vídeo. Desnecessário dizer que também é ideal ter uma boa placa-mãe, que a fonte deve ter os watts necessários para segurar sua configuração com certa folga, que o HD não deve ser jurássico, etc. Na prática, o que vai fazer o jogo rodar no seu computador são aquelas três peças principais, e o restante da máquina serve para "segurar" essas peças e fazê-las funcionarem.
     É importante lembrar, também, que no seu computador não é apenas o jogo que roda, mas também o sistema, outras tarefas e programas que funcionam em segundo plano, etc. Por isso, ao jogar, você tem seu computador sustentando o jogo + o sistema. Evidentemente que para o game funcionar melhor (o que quer dizer, "mais do PC" disponível para ele) é bom não deixar várias tarefas e abas de navegador abertas enquanto joga, à fim de ter mais desempenho disponível para ser usado em seu game e, consequentemente, rodá-lo melhor.
     E agora vamos à informação: para que serve cada peça da "trindade" que sustenta um jogo? Vamos ver juntos: