terça-feira, 24 de abril de 2012

Spider-Man Shattered Dimensions (PS3)

Também disponível para Xbox 360, Nintendo Wii e PC;
e em versão alternativa para Nintendo DS.


     Fala galera, como estão vocês? Tudo na mais pura tranquilidade? Que bom, espero que permaneça assim! As coisas tão meio ruins? Estou na torcida para que tudo melhore!
     Quem não gosta das histórias de super-heróis, não é mesmo? Esses caras que salvam o mundo todos os dias dos mais inusitados e criativos vilões, e que dividem seu tempo entre uma vida normal e uma vida de benfeitor mascarado. Existe uma infinidade de heróis, e o legal é que eles se popularizam tanto que atingem os mais variados segmentos: geralmente começam nos quadrinhos, depois viram desenho animado, mais tarde servem de roteiro para filme, e por fim desembarcam nos videogames! E olha, o que não falta por aí é jogo de super-heróis: são muitos! Desde os velhos tempos do Atari 2600 até os dias de hoje, os bons samaritanos de máscara não deixam de marcar presença nos jogos eletrônicos.
     Todo mundo tem um super-herói preferido, seja por se identificar com ele, por gostar mais do enredo da série a qual ele pertence, enfim, motivos não faltam. E o meu favorito, pra quem não adivinhou ainda, é o Homem-Aranha. Curto esse cara desde criança, assisti quase todas as suas séries animadas, li quadrinhos dele, e claro, joguei muito seus jogos. Um dos mais recentes títulos eletrônicos do aracnídeo que experimentei foi o Spider-Man Web of Shadows, em suas duas versões, a de PS2 e a de PS3. Foi um jogo que gostei muito, mas que não foi bem visto pela crítica e foi muito rejeitado. Depois do Web of Shadows, um dos games do cabeça-de-teia pelo qual eu mais tive interesse foi o Shattered Dimensions que, ao contrário de seu antecessor, foi bem avaliado pela crítica. Mas será que o game de 2010 do Homem-Aranha é tão bom assim? Confere aí:

O JOGO
     Poupam-se apresentações, só de olhar a capa do jogo você já adivinha qual é a proposta dele: juntar os quatro diferentes Homens-Aranha num único game. Shattered Dimensions trás o Amazing Spider-Man (ou O Espetacular Homem-Aranha, que é a versão com a qual estamos acostumados) o Spider-Man Noir (lê-se "Noáh", que é o aracnídeo do passado, mais especificamente do ano de 1933, proveniente da recente série de quadrinhos Marvel Noir que a Marvel lançou em 2009) o Spider-Man 2099 (o Aranha do futuro, vindo da série de quadrinhos Spider-Man 2099, ou Homem-Aranha 2099, que você pode encontrar aqui no Brasil em Sebos) e o Ultimate Spider-Man (o Homem-Aranha da série de quadrinhos Ultimate, onde ele conta com a roupa do simbiote, bem como suas habilidades). 2099 e Noir são estreantes em jogos da série, já o Amazing e o Ultimate já são velhos conhecidos nossos, e vale relembrar a excelente participação do Ultimate Spider-Man no jogo de mesmo nome, que foi lançado para PS2 e PC e é na minha opinião um dos melhores títulos do aranha de todos os tempos.
     Mas como todos eles foram parar ali? A Activision e a Beenox decidiram fazer um crossover na loca? Não, para a nossa alegriiiiaaaaa felicidade, os produtores fizeram um enredo até que bem interessante para este game, e assim conseguiram dar sentido à participação de cada aracnídeo. Tudo começa quando o vilão Mysterio ataca o museu de Nova York, e o nosso querido herói da vizinhança (o do presente, o Amazing, o "normal" no caso) aparece lá para combatê-lo. No meio da confusão, um objeto mágico chamado "A Tabuleta da Ordem e do Caos", que aparentemente é o que Mysterio tinha vindo roubar, se parte em diversos pedaços, causando um desequilíbrio entre as diferentes realidades do tempo-espaço. Nisso, a Madame Teia (aquela velha que não levanta a bunda daquela poltrona nunca) convoca os quatro Homens-Aranha, cada qual em sua dimensão, para recuperarem os pedaços da Tabuleta e depois juntarem-na novamente. Só assim os problemas entre as dimensões acabarão. Até aí seria fácil, se não fosse pelo fato de cada um dos fragmentos estar em posse de um dos inimigos do cabeça de teia! Agora é uma corrida contra o tempo, cada um dos Aranhas deve enfrentar seus piores vilões para recuperar os fragmentos o mais rápido possível, antes que seja tarde demais.
     Em termos de jogabilidade, as características de um Aranha e outro são praticamente iguais. Não tem um que pule mais alto, outro com golpes mais fortes, nem nada do gênero. Com exceção do Noir, todos os outros heróis fazem praticamente a mesma coisa: descer a porrada em todo mundo. Isso mesmo amigo leitor, todo aquele alvoroço que fizeram porque o jogo ia ter os quatro Aranhas, na prática, não serviu pra nada, pois Spider-Man Shattered Dimensions não passa de um God of War com teias. Os objetivos do jogo, infelizmente, se resumem a destroçar tudo que se mexe na tela, passar para o próximo cenário e fazer a mesma coisa de novo, e assim sucessivamente. Tem momentos diversificados, como quando precisamos resgatar os cidadãos inocentes em diferentes pontos da fase e levá-los para o local indicado, ou quando precisamos desligar determinada coisa ou destruir X objetos especiais que estão espalhados pela fase. Mas no fim das contas, tudo isso exige pancadaria e o jogo acaba por ser mais um daqueles "esmagadores de botões".
     Há, como eu disse antes, a exceção do Aranha Noir, onde o jogo fica mais calmo e parte para um estilo mais stealth, onde o principal objetivo é manter-se escondido nas sombras e abater os inimigos silenciosamente por meio do movimento "Takedown", que trata-se de aproximar-se do inimigo sem ele perceber, e apertar o botão O para que o Aranha o agarre e lhe dê alguns golpes para deixá-lo inconsciente. Essa mecânica é bem divertida, pois deixa o jogador concentrado e exige mais atenção. Ainda assim, acaba sendo enjoativa, pois você vai fazer isso várias vezes... na mesma fase... e por todo o jogo. E aqui está o maior defeito de Spider-Man Shattered Dimensions: o jogo é muito repetitivo. Você vai fazer sempre a mesma coisa, da primeira à última fase.
     Mas, em meio à tantas repetições, tem umas coisas legais também. As produtoras do game fizeram algo simplesmente original, que eu nunca vi em nenhum jogo até hoje: utilizaram quatro tipos de padrão gráfico diferentes! Isso mesmo! Cada herói tem suas fases com um padrão gráfico próprio! Com o Amazing Spider-Man, temos um belíssimo gráfico ao estilo desenho animado, muito bonito e suave. O Ultimate conta com um estilo cell-shadding, quase igualzinho ao do jogo Ultimate Spider-Man que mencionei antes, mas com um visual mais claro. Nas fases do Spider-Man Noir, temos um estilo gráfico que vem se tornando cada vez mais popular, especialmente nesta geração, que é o dos gráficos estilo "gelo", ou seja, bem polidos, quase cristalizados, fazendo os personagens parecerem de vidro (é algo parecido com os gráficos de Street Fighter IV, pra você ter uma ideia). Já o cabeça-de-teia 2099 possui gráficos mais 3D, bem ao estilo filme mesmo, dando um tom mais realista às suas fases.
     E tem ainda as CGs, que aparecem a cada etapa do game que você completa. Essas possuem uma qualidade MUITO alta, parecem quase atores reais, de tão detalhadas que as imagens são. Muito bem feitas mesmo, são algumas das cenas de computação gráfica em videogames mais lindas que eu já vi na vida, posso dizer com certeza! E detalhe: essas CGs possuem a narração de Stan Lee, o criador do Homem-Aranha! Isso mesmo, uma das maiores mentes da Marvel Comics faz uma bela participação aqui, com uma excelente narração durante as CGs. Só é uma pena que o game tenha poucas CGs, pois ouvir Stan Lee narrando é algo espetacular, o cara tem jeito pra coisa!
     Dentre as demais novidades do game, também temos as cenas em primeira pessoa. Em alguns momentos do jogo, a ação mudará a perspectiva do jogo, fazendo o jogador enxergar pelos olhos do Aranha. Algumas dessas cenas acontecem sozinhas, em etapas de transição dentro das fases, onde o Aranha se locomove de um ponto a outro na fase e o jogador se beneficia vendo o movimento em primeira pessoa. Já outras são interativas, em que os comandos ficam por conta dos analógicos. Essas sempre se passam em momentos de combate contra os chefes, em que o nosso herói agarra o vilão (ou vice-versa) e ambos trocam golpes. É possível dar socos de gancho movendo os analógicos para os lados, e socos retos movendo os analógicos para cima. E no momento em que o chefe ataca, é preciso mover os dois analógicos para baixo para desviar do ataque, assim podendo continuar a surrá-lo. Além de tudo isso, as seções de visão em primeira pessoa também ocorrem quando você cai em um abismo: ao invés de simplesmente morrer, como acontece na maioria dos jogos de super-heróis e também nos outros jogos do Aranha, agora, o game assumirá uma perspectiva em primeira pessoa e você poderá apertar R2 para que o Aranha lance suas teias para cima e volte à ação, sem cair e morrer. Sem dúvida algo muito bom, pois evita uma porção de mortes bestas e de quebra ainda adiciona uma novidade bem original ao título.
     Ao mesmo tempo em que Shattered Dimensions tem novidades bem legais e originais que enchem os olhos do jogador, ele também tem certas coisas que não agradam muitas pessoas. Logo no início do game você é apresentado a um menu chamado Web of Destiny. Menu o qual eu acredito que você nem vai mais acessar enquanto estiver jogando. Trata-se de uma gigantesca teia, composta por outras teias menores, cada uma correspondente a uma fase do game. Essas teias menores são cheias de bolinhas. Cada bolinha é um desafio extra que você tem pra fazer naquela fase (não é obrigatório fazer esses desafios, e também não é preciso parar a fase para fazê-los, pois você os faz durante a fase). Os desafios geralmente consistem em números, como matar X inimigos, embalar-se nas teias X vezes, fazer isso ou aquilo X vezes, coletar X itens, etc. Todas as bolinhas são da cor prata, e quando você faz o desafio da bolinha, ela fica da cor dourada. Esse menu Web of Destiny nada mais é do que um simples catálogo dos desafios que você fez e que falta você fazer, e nada mais que isso. Os desafios são automáticos durante as fases, você não precisa iniciá-los, simplesmente vai jogando a fase e, vez ou outra, você acaba "sem querer querendo" cumprindo um desafio. Os desafios lhe rendem dinheiro para comprar upgrades, mas, de tão repetitivo que o jogo é, você quer mais é terminar a fase de uma vez sem correr atrás de nada que for "extracurricular", e você dificilmente voltará numa fase pra completar um desafio que não te rende nem 1000 em dinheiro, sendo que os upgrades são sempre meio carinhos, dependendo de qual for. No fim das contas, a Web of Destiny nada mais é do que um catálogo que você nunca irá visualizar, à menos que você for muito hardcore e queria acabar com todos os desafios só pra dizer que acabou, pois se o jogo em si já tem sua parcela de repetição, quem dirá rejogar as fases só pra fazer "missõezinhas", que por sua vez também são repetitivas.
     Agora falando um pouco sobre os upgrades, eles são classificados em dois tipos: Character Upgrades e Combat Upgrades. O primeiro segmento é referente aos personagens em si, e serve para aumentar o tamanho da barra de vida ou mesmo a velocidade com que a vida se recarrega (se você fica sem tomar dano por algum tempo, a vida vai se recarregando). Também serve para desbloquear roupas alternativas para cada personagem, além de servir também para aumentar o tamanho das barras de energia, a duração delas e a velocidade com a qual se recarregam (só o Ultimate e o 2099 possuem essas barras de energia, que são gastas quando se realiza o Rage Mode e a Acceleration Vision, que são, respectivamente, movimentos especiais de cada um desses Aranhas). Já no Combat Upgrades, você compra novos movimentos para seu herói, isso inclui golpes, combos, etc. Ambos, Character e Combat, dispõem de upgrades coletivos, que valem para todos os Aranhas, e upgrades individuais, em que você precisa comprar o upgrade para o Aranha específico. Os upgrades não estão todos disponíveis desde o começo, é preciso destravá-los. Você destrava sempre um conjunto de upgrades por vez, à medida que executa desafios da Web of Destiny (como eu disse, não precisa correr atrás deles, só jogue normalmente e você vai acabar fazendo-os, vai por mim). Geralmente a cada 5 ou 10 desafios feitos, um novo conjunto de upgrades é desbloqueado. Para comprar os upgrades, você usa dinheiro, que também é ganho ao realizar os desafios, mas que também pode ser obtido matando inimigos ou pegando as Aranhas de prata e ouro espalhadas pelas fases.
     Uma crítica pessoal minha à respeito desses upgrades: Muitos não servem pra porcaria nenhuma, e algumas habilidades extremamente necessárias simplesmente não estão presentes. O caso é que alguns combos exigem combinações para serem pressionadas. Sim, isso é fácil de fazer... se nossos adversários fossem 4 ou 5 inimigos. Tem momentos que o número de inimigos na tela passa de 20, e você só quer se livrar deles e não vai ficar cuidando o botão que vai apertar, simplesmente vai apertar qualquer coisa e pronto. Nesse quesito, o jogo peca bastante, pois tem habilidades bem inúteis e que você não vai usar nunca (principalmente aquelas que exigem determinada distância para serem feitas, essas são a gota d'água. Com 10 nego na tela você não vai ficar cuidado a distância, só vai querer bater neles e pronto!). E o pior: além de estar cheio de habilidades inúteis, o jogo não dispõe de certos movimentos que seriam muito bem vindos! Um ataque "limpa-tela", por exemplo, daqueles que derrubam todo mundo de uma vez, nem que não matasse os inimigos, mas que só os derrubasse pra dar uma aliviada, simplesmente não existe! (tem o Web Cyclone, mas ele tem baixa abrangência e é fraco) No fim, poucas são as compras de ataques que realmente valem a pena.
     No quesito fases, Shattered livrou os jogadores de uma maldição que pegava os games do Aranha há muito tempo: os jogos estilo mundo aberto. Sim, é um gênero legal e tudo, mas praticamente todos os jogos mais recentes do Escalador de Paredes foram assim! Os dois jogos do PS1, os três jogos dos filmes, o Ultimate, o Web of Shadows... todos foram de mundo aberto! Desta vez, a Activision decidiu fazer algo diferente, e acertou: trouxe o sistema de fases para as aventuras eletrônicas do Homem-Aranha. São um total de 14 fases (contando o Tutorial). Todas são dispostas em um menu, e você escolhe qual quer jogar. As fases do game são divididas em atos (e é quando começa e termina um ato que você vê as CGs que eu falei antes). O primeiro ato tem o Tutorial e as fases 1 a 4, o segundo tem as fases 5 a 8, e o terceiro tem as fases 9 a 12 e ainda a fase final. Descontando o Tutorial e a fase final, cada ato tem 4 fases, cada uma com um Aranha diferente. Logo, o jogo tem 3 fases para cada Aranha. Parece pouco? E se eu disser que você pode demorar até mais de uma hora em uma fase? Melhorou agora né? Haha, não, pois a repetição nos mata, é preciso ter disposição pra passar fases de mais de meia hora socando o quadrado e o triângulo a fase inteira.
     Tudo piora quando vemos que os cenários são repetitivos também. Infelizmente falharam nesse quesito, e até os cenários onde toda a ação se passa ficaram enjoativos. Quando você joga na primeira fase do Amazing e se depara com um cenário florestal, já imagina: "Opa, esse jogo vai ter cenários bem diversificados!". Depois quando tudo começa a ser sempre a mesma coisa, fica lamentável. Sem contar essa fase da floresta, as outras duas do Amazing são quase a mesma coisa, um monte de areia entulhadas em ruínas. As do Ultimate geralmente são algo meio industrial. O pobre do Noir parece que está passando sempre pelo mesmo lugar. E o pior ainda é o 2099, as fases dele são simplesmente iguais, só que chegam a ser desagradáveis, pois possuem um excesso de mesclagem com luzes vermelhas e azuis, para algumas pessoas pode até doer a vista. Enfim, perdoem-me o vocabulário, mas a produtora foi soltar um peido aqui e acabou se cagando. Os cenários do jogo são até bonitos, mas são sempre os mesmos. Destaque para o parque de diversões do Noir, que é até mais bem feito e produzido, e torna-se algo diferente.
     Ainda falando das fases, cada uma tem um chefe, que é o vilão daquela fase. Toda fase começa com uma cutscene (não uma CG, apenas uma cutscene com os padrões gráficos da fase) mostrando o que o cabeça-de-teia está fazendo ali, e quem ele está perseguindo. E a história de todas as fases fica nisso, o Aranha perseguindo o vilão que foge, aí o vilão manda uma horda de inimigos pra cima dele, ele os mata, aí persegue o vilão de novo, e assim vai até o vilão ser encurralado e ter a luta final contra o Aranha (pior é quando tem várias lutas contra o vilão antes da luta final, é frustrante enfrentar o mesmo chefe várias vezes numa mesma fase). Depois disso, não temos nem sequer um final pra historinha, o herói simplesmente quebra o vilão no meio, pega o fragmento da tabuleta e pronto, tela de score da fase! Êita Activision e Beenox, vocês podiam ter caprichado mais... Pelo menos a escolha de vilões foi bem feita, aqui veremos muitos ícones do universo criado por Stan Lee, como o Kraven, o Cabeça de Martelo, Carnage, Electro, Abutre e outros. Pena que deixaram o Duende Verde de fora.

THE END
Prós: Algumas ideias bem originais, como os diferentes padrões gráficos e a visão em primeira pessoa. Sistema de fases pela primeira vez em muitos anos, até que enfim um jogo do Spider sem mundo aberto. CGs muito bonitas e bem feitas. A mecânica de Stealth do Noir acabou quase que salvando o jogo.
Contras: Repetição excessiva e extrema. Falta de habilidades realmente úteis para comprar. Muitos bugs em relação a pulos e corridas. Mal acabamento das historinhas das fases. A Web of Destiny simplesmente não serve pra nada. O Aranha fica falando demais durante as fases (tem horas que é uma tortura, dá vontade de deixar ele morrer só pra ver se cala um pouco a boca).
Considerações finais: Spider-Man Shattered Dimensions é um daqueles casos em que a ideia é boa, mas a execução não é bem aplicada. A proposta do jogo foi interessante, mas a fizeram do jeito errado, encheram o jogo de repetições, fizeram algo prazeroso se tornar chato por termos de fazê-lo várias e várias vezes repetidamente. Temos novidades e coisas bem legais nesse game, mas eles não souberam aproveitá-las corretamente. Esse é mais um daqueles títulos que você irá jogar apenas pra matar a curiosidade, mas que você só irá até o final se não tiver outra coisa pra jogar, como foi o meu caso.

10 comentários:

  1. Ufa, finalmente entendi a estória desse jogo... estava achando que o Homem Aranha do Passado se encontrava com o do Presente e o do Futuro pra combater um vilão que estava tornando tudo em branco-e-preto, com fases em 2D e 3D... peraí... jogo errado! hahaha! Preciso "desviciar" de Sonic! :D
    Muito bom o texto, bem completo... como sempre, né? Eu já ouvi falar bem desse jogo, mas nunca fui atrás de nada dele. Demos, vídeos com gameplay, imagens, nada. A estória parece bacana, pena que a idéia foi mal aplicada, pelo visto. Uma bela oportunidade para diversificar o jogo e ele virou um button smasher da vida (nada contra jogos assim) com tudo igual... bom que tem o Noir em stealth, mas se é todo repetitivo também, parece perder a graça. Repetição é o grande problema de alguns jogos, especialmente do primeiro Assassin's Creed (eu sei, eu sei, vc não gosta! hehehe).
    Uma coisa que gostei foi esse lance das teias quando vc está caindo... evitar mortes bestas pode facilitar o jogo e tudo mais, mas livra o jogador que tem menos tempo pra jogar de passar nervoso e desligar o videogame no melhor estilo "rage quit" pq não quer jogar aquilo tudo de novo... aconteceu comigo recentemente, com Sonic Unleashed, eu vou contar melhor essa história um dia. Aliás, ambos sofrem do mesmo mal, né? As fases noturnas são exatamente iguais as do Spider Man, meia hora de duração apertando um monte de coisa até os dedos cansarem.
    Bom, é isso ae!
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Caduco, o game era pra ter sido grande e acabou sendo medíocre. Algo que acho curioso é que a Activision, com trocentas parcerias, não consegue fazer um jogo do Homem-Aranha decente, enquanto a Naughty Dog sozinha faz a maravilha que é Uncharted.

      Não joguei o novo Aranha Edge of Time, que tem só o Amazing e o 2099, mas acredito que deve ser parecido, até porque também é da Activision + Beenox. Vamos ver como vai ser o novo jogo baseado no novo filme.

      Abraços!

      Excluir
  2. Olha wii, conceret a enquete. Eu por exemplo, tenho meu primeiro video game há 8 anos, ou seja, entre 5 e 10 anos. O q me deixou confuso na hora do voto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, não é possível consertar a enquete depois que ela já recebeu votos. Mas você pode votar em "por volta dos 5 anos" que é a opção mais correta para o seu caso. Na verdade, era só pensar um pouquinho e você ia ver qual combinava mais com seu caso.

      Excluir
  3. Quando você me disse que essa era a maior análise que já tinha feito, eu pensei que você tinha gostado muito do jogo.

    Pelo menos, as partes de Stealth parecem bem bacanas.

    Willi, pode dar uma olhadinha nesse recorde pra mim, por favoooor?

    http://img805.imageshack.us/img805/551/novaimagemdebitmap2x.png

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehe, maior só no tamanho, kkkkk!

      Mas é, o jogo teve bastante coisa pra falar mesmo, e ainda acho que deixei algo de fora... é um jogo com muita coisa a ser dita, e eu queria fazer uma review bem completa.

      O QUE É ESSE RECORDE??? TÁ BRINCANDO QUE O JOGO JÁ SAIU???? AAAAWWWWWW YYYYEEEEAAAAHHHHHH!!!!!!

      Abraço Ale! Valeu pela ótima notícia!!

      Excluir
    2. A versão PC vazou no Steam. Logo alguém já colocou o torrent pra download.

      A versão PS3 ainda não saiu.

      Excluir
  4. Boa análise, vou dar uma breve opinião pessoal sobre o game:

    É um jogo divertido para as horas livres, mas sem comprometimento. É o melhor Spider Man da atual geração na minha opinião, ainda arrisco dizer que é melhor que os Spider Mans para PS2, pois aqueles sofriam de bugs infinitos. Não que isso significa que o jogo é bom, mas o nível da série do Aranha está muito baixo...

    Os gráficos do game são bem legais, muito coloridos e algumas cenas do Spider Man 2099 chegam a dar brilho nos olhos. A jogabilidade não é ruim, mas como o Will disse é repetitiva demais. Tirando a jogatina com o noir o game é extremamente fácil e simples.

    Mesmo com tantos defeitos recomendo comprar usado de um amigo. Se for para os filhos pequenos podem comprar porque eles irão se divertir na certa ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Vini, a criançada se diverte com esse! Fácil, só apertar os botões de golpe, e ainda por cima sendo um personagem que tem uma parcela infantil em seu público, com certeza para os filhos é uma ótima pedida.

      E o nível da série realmente está baixo. Lembro do Homem-Aranha do NES e dos Spider-Mans pra SNES e Mega Drive... baita jogos. E hoje, o nível tá bem inferior. Mas vamos contar que isso melhore!

      Grande abraço, Vinícius!

      Excluir
  5. Alguém sabe o tempo mínimo pra se conseguir a medalha branca na fase do vulture???

    ResponderExcluir

O Point Games Brasil é um lugar para troca de ideias! Eu dou as minhas por meio dos posts, e você, por meio dos comentários. Sua opinião é muito importante, mas tenha maturidade e responsabilidade para expressá-la. Comentários maldosos, com mimimi ou xingando todo mundo não serão permitidos, portanto não seja um troll. Faça sua parte para manter a internet um lugar saudável a todos. Promova discussões e debates, critique, elogie, opine! Mas sempre com educação e respeito.