sexta-feira, 27 de maio de 2011

Tutorial: Como destravar seu videogame de fitas


     Hoje em dia, com o advento dos discos, destravar um videogame ficou bem mais fácil. Talvez na atual geração não tanto, mas na era PlayStation 1 / PlayStation 2, era (e ainda é) possível comprar um videogame já destravado e prontinho para os jogos piratas (não que a pirataraia seja algo legal, mas com os preços que os originais estão...). Mas antigamente, na era das fitas, não era preciso destravar seu videogame. Você metia a fita no contato e pronto: original ou não, seu jogo estava rodando bonitinho na sua TV!
     Atualmente, destravamos nossos videogames apenas para rodar jogos piratas, pois estando bloqueados os videogames só rodam jogos originais. Se o jogo for japonês ou americano, vai funcionar de qualquer jeito (europeu não, pois a TV fica meio zuada, mas americano e japonês rodam sem nenhuma diferença, a não ser a escrita, claro). Mas na era das fitas, havia algo que impedia os jogadores donos de consoles americanos a colocarem fitas japonesas nos seus videogames. Elas simplesmente não entravam. Enquanto hoje a destrava dos consoles é pra rodar games piratas, anos atrás a destrava era para rodar games de outra região.
     Há algum tempo, adquiri pela internet a fita Super Bomberman 2 japonesa, para meu Super Nintendo. Sexta-feira passada, ela chegou, e eu todo ansioso abri o pacote do PAC (serviço dos Correios responsável pela entrega das mercadorias) e logo fui colocando a fita no videogame, mas, a danada simplesmente NÃO ENTRAVA. Fucei e descobri o problema: o videogame possui dois pininhos que não deixavam a fita descer e se conectar ao contato. A solução? Você confere no tutorial abaixo.

Ingredientes:
1 Alicate de bico fino ou de corte.

Modo de preparo:
Leia atentamente o tutorial e tente não estragar o videogame!!!!

     Pois bem. As fitas americanas, na sua parte traseira, possuem uma voltinha em que, quando colocadas no videogame, se encaixam naqueles pininhos que tem dos lados do contato, que são os mesmos pininhos que não deixam as fitas japonesas descerem. As fitas japonesas não descem porque elas não tem aquela voltinha na parte de trás, o que impede que elas se encaixem ao contato. A solução é tirar aqueles pininhos do videogame fora. Não se preocupe, eu falei "estragar o videogame" brincando, não há risco do videogame não funcionar mais, pois você está mechendo num pininho de plástico, que não tem nada a ver com as peças dentro do console, a parte eletrônica, etc. O máximo que pode acontecer é você arranhar a carcaça do videogame, mas o sistema em si, continuará funcionando sem problemas.
     Veja abaixo duas fotos que tirei para explicar melhor:



     Usando um alicate de bico fino ou alicate de corte (a segunda é preferível, pois corta o pino mais facilmente), agarre o pininho com o alicate, e puxe-o com força, caso seja necessário pode dar uma torcidinha também. Só cuide para, na hora de puxar, não raspar o alicate no videogame, pois pode "arranhar a pintura" (e descascar um pouco também). Veja como ficou o videogame depois da "cirurgia":


     Na hora de tirar, os únicos cuidados que você deve ter são esse que eu falei de não raspar o alicate para não arranhar a pintura do videogame, e também cuidar para que o pino, quando for quebrado, não solte lasquinhas, no caso disso acontecer, use o alicate para removê-las de dentro do seu videogame. Soltando lasquinhas ou não, depois de tirar o pino vire seu videogame de cabeça pra baixo e chacoalhe ele um pouco, para qualquer eventual sujeira ou casquinha cair fora.

Precauções:
- Não faça a "cirurgia" com o videogame na estante, plugado na tomada, etc. Tire os cabos dele, desconecte o controle, e leve-o para uma mesa ou qualquer lugar firme para fazer o processo.
- Não vá querer segurar o videogame com uma mão e com a outra puxar o pino que isso não leva a nada. Apoie-o numa mesa (nada de sofá ou cama, é a mesa, pois ela é firme), use uma mão para remover os pinos com o alicate e a outra para segurar o videogame e também mantê-lo aberto para o alicate não ficar raspando (e para você não arrancar fora a tampa do contato junto com os pinos).
- Não me responsabilizo por quaisquer danos ao seu videogame. Eu expliquei tudo certo, se algo der errado, culpa sua!

11 comentários:

  1. pow muito massa Willi, acho que depois vou fazer no N64, mas nele é mis complicado, porque os são bem maiores que esse do SNES.

    mas vem cá... eu acho que o SNES japones (console) ja é destravado de fabrica, pois nessa fita não nenhuma abertura para o pino, e assim pode qualquer fita tsnto japonesa quanto americana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que não,porque a entrada de cartucho do Super Famicom (SNES Japones) é menor que a entrada do SNES.

      Excluir
    2. O SNES japones (super famicom) só encaixa fitas padrao japones, pois a entrada para as fitas tem o formato arredondado de forma que só as fitas japonesas entram. Eu tenho um e tentei colocar uma fita padrao americano e ela simplesmente nao encaixa.

      Excluir
  2. ***porque os pinos são bem maiores que esse do SNES***

    ResponderExcluir
  3. Sim, como no SNES japonês as fitas não tem as voltinhas, logo o videogame não tem pinos, e portanto funcionam todos os cartuchos. Portanto, ele É destravado de fábrica.

    Quer dizer, eu acho, pois nunca vi um Super Famicom (SNES japa) ao vivo.

    ResponderExcluir
  4. Na verdade nã é , porque (eu acredito) que as fitas americanas sendo de um formato totalmente diferente não entrem no Super Famicom

    ResponderExcluir
  5. As fitas americanas não entram no snes japones porque elas tem o formato quadrado e as fitas japônesas tem um formato arodondado. Mas as fitas japonesas funcionam normalmente no SNES americano.

    ResponderExcluir
  6. Ah, é verdade, não tinha pensado nisso. Também porque a entrada para cartuchos do SNES japonês tem o formato do cartucho deles (arredondado) e portanto as fitas quadradas americanas não passam. Mas vale lembrar que existem aquelas fitas com FORMATO JAPONÊS mas com o JOGO AMERICANO dentro. Obviamente são piratas, mas existem, logo, estes jogos americanos devem funcionar (acho) pois a fita entra, e se os jogos japoneses funcionam no console americano, os jogos americanos (com aquele tipo de cartucho) também devem funcionar no japonês.

    ResponderExcluir
  7. Meu SNES era aquele pequeno, o Super Nintendo Baby (algo assim) e ele rodava tanto as fitas quadradas (Americanas) como as Japonesas (Arredondadas)

    ResponderExcluir
  8. Na verdade, o Super Famicom JAPA não tinha travas pois usava só o padrão japones de cartuchos, então não precisava. E pq tambem ele não aceita os caruchos no formato americano. Não é que seja destravado de fabrica, é que simplesmente essa trava não existe no famicom...

    ResponderExcluir
  9. Os carts americanos funcionam normalmente nos japas e vice-versa. O único empecilho é o formato dos cartuchos, aí, no americano, é só tirar as travas físicas e no japa, é recomendável abrir o cart e plugar o jogo sem a carcaça do cartucho, apenas com o chip.

    Mas europeias é outra história, elas tem o mesmo formato das japas, mas são eletricamente distintas. Um cart europeu SÓ funciona 100% num console europeu. Se você plugar uma europeia num SNES japonês ou americano, ou um aviso aparece na tela, impedindo o boot do jogo, ou o jogo fica lento e bugado.

    E um conselho pra quem tem PS2 e tenta rodar jogos europeus (The Sims 2, por exemplo): tentem ver se a sua TV tem a entrada video-componente (google é seu amigo se não sabe o que estou falando). Se tiver, compre um cabo video-componente. Além de uma maior definição das imagens, você não se preocupará mais com jogos em preto-e-branco.

    ResponderExcluir

O Point Games Brasil é um lugar para troca de ideias! Eu dou as minhas por meio dos posts, e você, por meio dos comentários. Sua opinião é muito importante, mas tenha maturidade e responsabilidade para expressá-la. Comentários maldosos, com mimimi ou xingando todo mundo não serão permitidos, portanto não seja um troll. Faça sua parte para manter a internet um lugar saudável a todos. Promova discussões e debates, critique, elogie, opine! Mas sempre com educação e respeito.