terça-feira, 27 de abril de 2010

Castlevania (NES)


     O início de uma série que faz sucesso até hoje nos consoles modernos, mas que teve seus dias de glória no simpático NES. O nome vem da mistura entre castle (castelo) e Transilvânia (região histórica da Romênia conhecida por ser a terra de Vlad Tepes, que inspirou o personagem Drácula). Vamos conhecer um pouco mais sobre um dos melhores games de plataforma do NES:

O JOGO
     Castlevania conta a história de Simon, um caçador de vampiros. A cada 100 anos, o vampiro Drácula ressuscita, porém, ele sempre é morto por um membro da família Belmont, a família de Simon. Drácula ressuscitou mais uma vez, e agora, é a vez de Simon parar esse terrível vilão. (narrador da seção da tarde off)
     A mecânica do game é a mesma de muitos outros jogos de plataforma do NES. Basta ir andando, pulando e matando os inimigos. Porém, com sua temática de terror, o game pode se tornar único, não dando ao jogador aquela sensação de estar jogando "a mesma coisa em fases diferentes". No jogo, Simon usará seu chicote para detonar os mais variados monstros: zumbis, múmias, máscaras flutuantes, seres aquáticos que saltam da água, e muitos outros. Além do chicote, Simon pode coletar outras armas durante o jogo, sendo que, para u-las, o jogador deve apertar B+CIMA, pois, apertando apenas B, Simon sempre usará o chicote, não importando se ele tem outras armas ou não.
     Falando nas outras armas, elas são bastante diversificadas: tem o vidro de água benta, que pode ser arremessado para destruir os inimigos, o machado, que é arremessado da mesma maneira, a jarra, que dá ao Simon a habilidade de atravessar os inimigos sem ter que matá-los e sem ser atacado, a espada, que é arremessada para frente para acertar o inimigo em cheio, a cruz, que destrói de uma vez todos os inimigos que estiverem na tela, a shuriken de madeira, que é arremessada para frente e depois volta, golpeando duas vezes o inimigo, e o relógio, que pára o tempo imobilizando os inimigos, permitindo que Simon os acerte sem que eles revidem. Vale lembrar que, para usar uma dessas armas, você gastará uma determinada quantia de coraçõezinhos. Durante a fase, é possível coletar vários coraçõezinhos, porém, eles não servem para recarregar seu life. Ao invés disso, eles servem de energia para usar as armas extras. Cada arma, quando usada, gasta uma determinada quantidade de coraçõezinhos. Ficando com poucos, você não poderá mais usar a arma. Por isso é importante sempre coletá-los. Vale lembrar também, que não é possível trocar de arma. Ao pegar uma nova, a antiga é perdida. Logo, Simon só consegue carregar o chicote e uma arma extra por vez, nada mais que isso.
     A movimentação do jogo é que não agrada. Se Simon for atingido (e ele vai ser, muitas vezes, até o jogador começar a bufar fumaça de raiva), ele imediatamente cai para trás, podendo ainda bater em outro inimigo e sofrer ainda mais dano, ou mesmo cair em um abismo e morrer, já que as fases são cheias de abismos. Quanto aos pulos, você deve pensar bem aonde quer pular antes de fazê-lo, pois ao pular, não é possível mudar de direção no ar. E se você pular e um inimigo aéreo vier com tudo em você, ou você é rápido para dá-lhe uma chicotada, ou ele te acerta e te joga pra trás, fazendo você PROVAVELMENTE cair em um abismo. Digo provavelmente por que aqui há poucos motivos para pular se não pular sobre um abismo. DICA: quando há vários inimigos aéreos vindo um de cada vez em zigue-zague, na hora em que o inimigo for colidir com você, não tente acertá-lo com o chicote nem com nenhuma outra arma, que não vai funcionar. Apenas dê um passinho para trás, espere ele fazer o "zigue", e aí pode continuar andando. Vai ser um pouco chato, pois você vai ter que dar um passo para trás a cada pouco, mas pelo menos você não leva dano. Outra dificuldade na movimentação é a de subir as escadas. Mesmo se você passar por uma escada, voltar e passar de novo (o que se faz nos outros jogos para subir), aqui, o personagem não vai subir. Para subir, é necessário posicionar-se em frente à escada e apertar CIMA. E o pior, se você tentar pular na escada, também vai cair. Isso é muito ruim nas horas em que a escada que você precisa subir fica numa minúscula plataforma, que está sendo atacada exaustivamente por inimigos aéreos que fazem zigue-zague. Nas escadas o Simon anda mais devagar, então, se esquivar deles é mais difícil, e se você pular, poderá cair num abismo, caso a escada em que você está fica sobre um abismo.
     As informações do jogo estão todas dispostas no topo da tela, em uma faixa preta. Primeiramente temos duas linhas de risquinhos, uma em cima e uma em baixo. A de cima é o life de Simon, e a de baixo é o life do chefe. Apesar de ser o life do chefe, esta está presente a fase toda, não só na hora da luta com o chefe. Ambas as linhas perdem risquinhos dependendo da gravidade do golpe. Por exemplo: um ataque comum tira apenas um risquinho, já ataques mais fortes e/ou consecutivos causam maior dano e por isso tiram mais risquinhos. Não há como recarregar os risquinhos, apenas morrendo ou passando de fase. Logo após os risquinhos tem um quadro que mostra que arma você tem além do chicote, se é a espada, se é o relógio, se é a cruz, etc. Depois, tem o número de coraçõezinhos e logo abaixo, o número de vidas. Na parte superior desse menu tem também os pontos, o tempo e a fase em que você está.
     As fases do game são 6 ao todo, mas o marcador de fases marca cada fase por etapa, e não pela fase em si, logo, na foto ao lado estamos na etapa 6, mas não na fase 6. Todas as fases são bem extensas e possuem um chefe no fim. Ao matá-lo, ele libera uma esfera usada para recarregar todos os risquinhos perdidos durante a fase. Os chefes são:
Fase 1: Phantom Bat - Um morcego fantasma.
Fase 2: Medusa - A cabeça da deusa romanda com cabelo de cobra.
Fase 3: The Mummies - Uma dupla de múmias bastante irritantes.
Fase 4: Frankstein e Igor - A dupla mais chata do game, enquanto Frank te acerta pelo chão, Igor pula pra lá e pra cá cuspindo bolinhas de fogo.
Fase 5: Grim Reapper - O anjo da morte.
Fase 6: Drácula e Ghost Drácula - A forma normal e a forma fantasmagórica do rei dos vampiros.
Um detalhe interressante é que todas as fases se ambientam dentro do castelo de Drácula, porém, elas alternam entre parte externa e interna várias vezes. Toda fase é dividida em várias etapas, sendo que, quando você passa por uma porta, avança para a etapa seguinte. Essas etapas são algo como "pontos de checkpoint". Isto é, como as fases são longas, ao morrer, você não volta ao início da fase, mas sim ao início da etapa em que você está. E o melhor de tudo é que o jogo possui continues infinitos! Ou seja: Game Over, Never! (a menos que você for um jogador que não tem muita paciência pra continuar jogando, hehehe)
     Os gráficos e as músicas do jogo são bons. Bom não quer dizer fodástico. Os backgrounds são todos bem elaborados, todos com um tema gótico. O sprite do Simon é que não agrada muito. Ele é todo feito com diferentes tons de marrom, e às vezes ele se mistura ao background, que também é feito com cores fortes e berrantes. Mas o que achei mais ruim nos gráficos foi a pouca diferença de tonalidade. Isto é, na maioria dos jogos da época, os sprites do personagem e dos inimigos possuíam uma tonalidade mais forte, enquanto o background era mais fraco, para evitar misturanças. Já aqui, os sprites são praticamente todos da mesma tonalidade, então as vezes vira uma mistureba danada. Quanto aos sons, não há nada do quê se reclamar, todos são bem legais e adequados a cada situação, contando que o jogo possui uma novidade: há vozes! Isso mesmo! Repare que, quando Simon é atingido, ele dá um grito. Isso seria o princípio dos jogos cheios de diálogo que vemos hoje em dia por aí.


THE END
Prós: Magníficos gráficos, jogabilidade inovadora em alguns quesitos, variedade de itens.
Contras: Dificuldade excessiva em certos pontos do jogo, jogo curto.
Considerações finais: Em suma, é um ótimo jogo, na minha opinião um dos melhores de ação/plataforma do NES, eu diria o melhor, mas não joguei suas sequências ainda. Parabéns à Konami pelo ótimo trabalho!

4 comentários:

  1. Esse jogo é um classico do NES, é realmente muito bom. O único problema é a extrema dificulde. Esse jogo é dureza, nunca consegui zerar sem usar save state.

    ResponderExcluir
  2. tem como recarregar o life sim willi achando um frango na fase que recarrega metade do life se estiver quase vazio

    ResponderExcluir
  3. Nem sei se ainda é válido um comentário depois de tanto tempo, mas resolvi acrescentar uma opinião diferente, pois acho a trilha sonora fenomenal, tão memorável que qualquer elogio é insuficiente para a majestade dessa criação.

    ResponderExcluir
  4. Caramba esse jogo eu penei um bocado para zerar as fases são um tanto complicadas se vacilar muito você acaba chegando com pouca energia para enfrentar os chefes.

    ResponderExcluir

O Point Games Brasil é um lugar para troca de ideias! Eu dou as minhas por meio dos posts, e você, por meio dos comentários. Sua opinião é muito importante, mas tenha maturidade e responsabilidade para expressá-la. Comentários maldosos, com mimimi ou xingando todo mundo não serão permitidos, portanto não seja um troll. Faça sua parte para manter a internet um lugar saudável a todos. Promova discussões e debates, critique, elogie, opine! Mas sempre com educação e respeito.